Contador de visitas

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Sampaio Corrêa vence o Paraná e garante vaga na terceira fase da Copa do Brasil

Na próxima etapa da competição nacional, a Bolívia Querida enfrentará a Ponte Preta.

  GUSTAVO ARRUDA / IMIRANTE ESPORTE

SÃO LUÍS - O excelente início de temporada do Sampaio Corrêa foi colocado à prova mais uma vez na noite desta quinta-feira (22), em partida válida pela segunda fase da Copa do Brasil. Atuando ao lado de seu torcedor, no Estádio Castelão, a Bolívia Querida teve que enfrentar o Paraná, que disputará a Primeira Divisão em 2018 e nunca tinha sido derrotado pelo time maranhense em jogos oficiais. O cartaz e o histórico do adversário poderiam intimidar, mas o Sampaio mostrou a sua força mais uma vez: mesmo perdendo muitas oportunidades de gol, o Tubarão derrotou a equipe paranaense por 1 a 0 e confirmou a presença na terceira fase da competição nacional pelo segundo ano consecutivo.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Colégio F.A.C. 2018

SOMOS UMA FAMÍLIA UNIDA E ESTAMOS REUNIDOS EM UMA DAS SALAS DO COLÉGIO F.A.C. TRAÇANDO E PLANEJANDO TUDO DE BOM PARA SER APLICADA NA NOSSA MAIOR E MELHOR INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO PARNAÍBA E ALTO MUNIM QUE É O COLÉGIO F.A.C. PARABÉNS FAMÍLIA F.A.C. PARABÉNS AO NOSSO DIREITOR NONATO CARNEIRO, AOS NOSSOS COORDENADORES RAILDES E DOHYA E TODOS NOSSOS PROFESSORES.


































terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Ex-presidente José Sarney transfere domicílio eleitoral para São Luís

Mudança
  •  
Desde 1990 que o ex-presidente era eleitor do estado do Amapá, onde disputou os seus três mandatos de senador
José Sarney efetivou sua transferência de domicílio eleitoral na terceira zona eleitoral de São Luís.

José Sarney efetivou sua transferência de domicílio eleitoral na terceira zona eleitoral de São Luís. (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
SÃO LUÍS - O ex-presidente e ex-senador José Sarney (MDB) transferiu o seu domicílio eleitoral para São Luís, capital maranhense. Ele, que durante quase 28 anos foi eleitor do Amapá, poderá votar pela primeira vez em sua filha, ex-governadora Roseana Sarney (MDB) na sucessão estadual.
José Sarney apresentou no fim da tarde da segunda-feira, 19, os documentos na terceira zona eleitoral da capital para fazer a transferência de seu domicílio eleitoral saindo do Amapá e vinda para São Luís.
Sarney era eleitor do estado do Amapá desde 1990 quando transferiu seu domicílio eleitoral para disputar a eleição para o Senado. Isso ocorreu logo após ele deixar a Presidência da República.
Desde então, o ex-presidente vinha disputando as eleições para o senado pelo Amapá. Em 2014, quando terminava seu mandato de senador, José Sarney decidiu não disputar as eleições e também não transferiu o título.
Voto - Como eleitor de São Luís, o ex-presidente poderá votar pela primeira vez em membros de sua família que disputarão mandato eletivo em 2018. José Sarney terá a oportunidade de votar em sua filha, Roseana Sarney, que disputará o governo do Estado, em seu filho, ministro Sarney Filho (PV), que disputará uma vaga no Senado e o seu neto, Adriano Sarney, que vai em busca da reeleição na Assembleia Legislativa.

Após especulações sobre saída, Andrey afirma que fica no Sampaio

Eu fico! 

Goleiro, que é um dos destaques da equipe neste bom início de temporada, reafirmou que não deixará o clube e agradeceu o carinho da torcida
Andrey é um dos destaques da equipe do Sampaio

Andrey é um dos destaques da equipe do Sampaio (Foto: Divulgação/Site oficial do Sampaio )
SÃO LUÍS – Após especulações de uma possível saída repentina do Sampaio, o goleiro Andrey afirmou que segue no Tricolor e rechaçou qualquer possibilidade de mudar de equipe neste momento. Ele lembra, inclusive, que recebeu algumas propostas até do exterior, mas preferiu fechar com a equipe maranhense. Andrey é um dos destaques do time neste bom início de temporada, no qual a equipe lidera o Estadual, avançou de fase na Copa do Brasil e está próximo de uma classificação na Copa do Nordeste.
Depois de a notícia de uma possível saída ganhar grandes proporções, Andrey fez questão de se posicionar. “Se fosse para ficar só até o fim do Maranhense eu nem teria vindo. Não vou sair do Sampaio. No início das negociações tive outras propostas, até do exterior, mas optei em vir pra cá. Essa história que meu empresário teria pedido 40 mil é mentira. E se fosse, eu iria dizer não, porque quero ficar”, comentou o atleta.
Ao afirmar que fica, o goleiro lembrou do carinho que tem recebido da torcida desde a sua chegada. “Desde o início, os torcedores demonstraram muito carinho por mim, e só penso em retribuir, com muita dedicação durante os treinamentos e esforço dentro de campo. Muito obrigado por tudo e estamos juntos. Amo vocês”, disse ele através de um vídeo em uma rede social.
Diante da situação, o presidente Sérgio Frota também se posicionou. “O Andrey vai ficar. Estamos trabalhando no intuito de fortalecer a equipe, e não enfraquecer. Os torcedores podem ficar tranquilos que tudo não passou de pura especulação”, garantiu o mandatário.
O Sampaio entra em campo, nesta quinta-feira (21), às 21h30, no estádio Castelão, contra o Paraná, pela Copa do Nordeste.

ELEIÇÕES 2018: Waldir Maranhão desiste de ser candidato de Flávio Dino e se oferece para Eduardo Braide

 
Waldir Maranhão, Eduardo Braide, Paulo Marinho Filho e Paulo Marinho (pai)

Waldir Maranhão, Eduardo Braide, Paulo Marinho Filho e Paulo Marinho (pai)
O deputado federal Waldir Maranhão cansou de tentar ser o candidato a senador do governador Flávio Dino (PCdoB).
Maranhão procurou outro rumo e se ofereceu para fazer parte da chapa do deputado estadual Eduardo Braide, candidato ao governo.
Um registro feito durante reunião entre Waldir Maranhão, Braide e a família Marinho já circula nas redes sociais.
O Blog do Luís Pablo ainda não sabe o posicionamento de Eduardo Braide – se vai querer ou não Waldir como seu candidato ao Senado, mas o fato é que Flávio Dino deve descartar Maranhão só por ter sentado com seu adversário

Marun diz que não há como votar reforma da Previdência durante intervenção

Política
 Ministro descartou que o governo tenha desistido da reforma, considerada prioritária.
 
Marcelo Brandão / Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afastou a possibilidade de votação da reforma da Previdência enquanto durar a intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Segundo ele, não há segurança jurídica para interromper a intervenção para votar a reforma e nem mesmo de continuar a tramitação do Projeto de Emenda à Constituição (PEC) no Congresso. Com isso, o governo não trabalha mais com a ideia inicial de votar a reforma na Câmara dos Deputados ainda este mês.
“Eu até coloco que a votação em fevereiro já está fora de cogitação. Porque nós teríamos que, para aprovar a PEC, pelo entendimento do presidente Eunício [Oliveira, presidente do Senado] e, de certa forma do presidente Maia [Rodrigo, presidente da Câmara dos Deputados], suspender o decreto. Uma situação que é controversa, a de suspender o decreto e depois reeditá-lo”, afirmou o ministro.
O ministro descarta que o governo tenha desistido da reforma, considerada prioritária, apesar de admitir que a intervenção federal no Rio é um impeditivo para a aprovação. “Feliz eu não estou. […] Eu reconheço que isso cria um óbice jurídico para a continuação da tramitação, para a evolução da discussão e consequente aprovação da reforma”.
Na sexta-feira (16), quando o presidente Michel Temer decidiu pela intervenção federal, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que quando o governo tivesse os votos necessários para aprovar a reforma, Temer revogaria o decreto de intervenção e entraria em vigor no Rio uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada.
Mas hoje, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que politicamente, não seria possível revogar o decreto e assinar outro em seguida a fim de beneficiar a aprovação de qualquer matéria no Congresso. “As palavras do senador Eunício não são de todo desarrazoadas. Até porque não temos previsão de suspendermos o decreto de intervenção nos próximos dias. Nós sabemos que é um trabalho que demandará tempo e é possível que isso interrompa a tramitação da PEC da Previdência”, disse Marun.
O ministro foi questionado por outros integrantes do governo se poderia garantir votos para a reforma ainda este mês e negou tê-los. Acrescentou que vai continuar buscando os votos que faltam, mesmo sem ter uma previsão de data para sua aprovação.
“Infelizmente não pude oferecer ao governo essa garantia de que teríamos os votos até o final de fevereiro. Vou continuar buscando o convencimento de que parlamentares se disponham a votar em prol do que é necessário ao Brasil. Mas não havia mais condições, em função da agudicidade dessa questão da segurança pública, que mantivéssemos todos os esforços do governo concentrados, nesse momento, na questão da aprovação da reforma”.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Colégio F.A.C. 2018

 O Professor Nonato Carneiro está Completando hoje 45 anos como Diretor Proprietário do Colégio F.A.C. ao lodo da nova Professora de Estágio do Curso Técnico Enfermagem Dra. Abygail.